1 de mar de 2019

POLEIROS ARTIFICIAIS E ENLEIRAMENTO DE GALHADA NA RESTAURAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA, BRASIL

Por Leonardo Palhares da SILVEIRA, 
Jacob Silva SOUTO, 
Mário Medeiros DAMASCENO, 
Danielle Piuzana MUCIDA, 
Israel Marinho PEREIRA

RESUMO:
O uso desenfreado dos recursos naturais tem como reflexo um elevado grau de degradação do ambiente causando prejuízo na dinâmica natural do ecossistema. Neste contexto, o presente estudo objetivou verificar o potencial de uso de técnicas nucleadoras em área degradada da Fazenda Cachoeira de São Porfírio, município de Várzea, semiárido do Estado da Paraíba. Foram utilizados poleiros artificiais secos e enleiramento de galharias visando a formação de núcleos de atração a fauna dispersora de propágulos. O experimento foi avaliado por 12 meses. Os poleiros foram utilizados por aves durante o período experimental, incrementando a chuva de sementes da área. O
VISITE E INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL
enleiramento de galharia, que simula abrigos artificiais para a fauna e microrganismos, atuam na decomposição desse material. Verificou-se decomposição do material formador das leiras com diminuição do volume original e adição de matéria orgânica ao solo. Foram contabilizadas 125 sementes, principalmente de Jatropha curcas L. (pinhão manso) e Cnidosculus queercifolius Pohl (faveleira), nos coletores colocados sob os poleiros, o que indica presença de aves no local do experimento. Portanto, tais técnicas nucleadoras atuaram no incremento na chuva de sementes e aumento de conteúdo da matéria orgânica no solo e, utilizadas em conjunto, favoreceram a sucessão natural e a reintrodução de plantas e animais na área degradada. Palavras-chave: degradação ambiental, caatinga, dispersão de sementes.
1. INTRODUÇÃO
O uso desenfreado dos recursos naturais tem como reflexo um elevado grau de degradação ambiental, resultando, em muitos casos, em significativa perda da qualidade de vida. O uso inadequado do ambiente provoca uma quebra na dinâmica natural do ecossistema, prejudicando de forma geral a todos os elementos que o compõem. A degradação ambiental é um problema de dimensões globais que ocorre em intensidades variadas, com destaque nas regiões áridas, semiáridas e subúmidas secas como resultado de vários fatores, principalmente o antrópico. No Brasil, essas áreas têm em comum a baixa relação entre precipitação pluviométrica e evapotranspiração resultando, em geral, na falta de água para o consumo vegetal, animal e humano. Além disso, situam-se na região semiárida, sendo denominadas de núcleos de desertificação. Causas de degradação podem ser decorrentes de retirada
de solo, uso indiscriminado do fogo, supressão da vegetação, invasão biológica, caça e extrativismo ou isolamento de áreas devido à fragmentação florestal.  Quanto maiores os níveis de degradação, mais esses fatores inibem ou impedem a sucessão (KAGEYAMA et al. 2008). Em geral, em núcleos de desertificação são encontradas áreas com grandes manchas desnudas, presença ou não de cobertura vegetal herbácea e sinais claros de erosão laminar do solo. O processo de desertificação quase sempre se inicia com o desmatamento e a substituição da vegetação nativa por outra cultivada, de porte e/ou ciclo de vida diferente. Seguindo esse modelo, a vegetação arbustiva e arbórea da caatinga é substituída por pastos herbáceos ou culturas de ciclo curto. O cultivo continuado, com a retirada dos produtos agrícolas e sem a reposição de nutrientes retirados, leva a perda da fertilidade e a processos erosivos (SAMPAIO et al., 2003; DUBEUX JR et al., 2005; PEREZ-MARIN et al., 2006). Souto et al. (2005) argumentam que a remoção da vegetação da caatinga, deixando os solos expostos, associada a períodos extensos de seca, `as elevadas amplitudes térmicas e aos ventos, possibilita uma acentuada degradação física, química e biológica dos solos. Estes se tornam limitados em seu potencial produtivo, causando danos, muitas vezes, irreversíveis ao meio. Historicamente, a região deste estudo teve a pecuária extensiva como base de atividade econômica, ligada à agricultura de subsistência. Posteriormente a cultura do algodão foi importante para a economia. Entre as décadas de 1930 e 1940, a mineração, pontualmente, tornou-se também uma atividade econômica, mas com forte impacto ambiental (SALES, 2006) e que perdura até os dias atuais. Esta atividade prejudica as atividades agrícolas, sem objetivos de sustentabilidade a longo prazo na região (SAMPAIO et al., 2003). No estado da Paraíba, devido ao clima predominantemente seco (semiárido e subúmido seco), mais de 90% do seu território apresenta áreas susceptíveis à desertificação (Sertão, Borborema e Agreste). O estado possui o maior percentual de áreas com nível de degradação da terra muito grave (29%), segundo o Programa de Ação Nacional de Combate a
Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca – PAN-Brasil (BRASIL, 2004). O grau de conhecimento dos processos de degradação e sua extensão ainda são deficitários e necessitam de constantes atualizações. Segundo Perez-Marin et al. (2012) a relação entre as áreas afetadas por processos de desertificação e a nova delimitação é de aproximadamente 58% no estado. Uma vez que seca e desertificação caracterizam-se por fenômenos distintos, mas estreitamente relacionados, em áreas marcadas pela semiaridez registra-se um desequilíbrio entre oferta e demanda de recursos naturais, levando-se em conta o atendimento às necessidades básicas de seus habitantes. Nos períodos de seca este descompasso aumenta, visto que a pressão sobre os recursos naturais se amplia e a intervenção do homem, em geral, se faz por meio do uso inadequado do solo, da água e da vegetação. A necessidade de iniciativas para restaurar as áreas degradadas surge como algo necessário para o estado da Paraíba. A retirada da cobertura vegetal de áreas degradadas provoca danos a biodiversidade, uma vez que de interfere nas condições físicas e afetam o desenvolvimento e a manutenção de atividades ligadas ao social, econômico e ambiental. Enfim, ocasiona impactos em áreas que estão direta ou indiretamente relacionadas `a manutenção do bioma Caatinga. A aplicabilidade do uso de técnicas nucleadoras na restauração de áreas degradadas tem sua importância na dinâmica do uso da terra no bioma Caatinga, principalmente com relação ao processo de desertificação e a utilização não sustentável do recurso madeireiro, que vêm provocando perda da diversidade florística e degradação do solo (KAGEYAMA et al. 2008; BECHARA 2006). Como técnicas nucleadoras para restauração mencionamos a transposição de solo, a semeadura direta e hidrossemeadura, os poleiros artificiais, a transposição de “galharia”, o plantio de mudas em ilhas de alta diversidade e a coleta de sementes com manutenção da variabilidade genética (REIS et al., 2003). Diante do exposto, o presente estudo objetiva verificar o potencial de uso de técnicas nucleadoras em áreas degradadas no semiárido do Estado da Paraíba, viabilizando a diminuição dos custos de implantação, além de propiciar uma significativa melhoria nas qualidades ambientais e assegurar um aumento na probabilidade de ocupação deste ambiente por outras espécies.
2. MATERIAL E MÉTODOS
A pesquisa foi desenvolvida no período de outubro de 2011 a setembro de 2012, em uma área experimental com cerca de 1,0 ha. A área localiza-se na Fazenda Cachoeira de São Porfírio, município de Várzea, sertão do estado da Paraíba, entre as coordenadas 06º 48’ 35” S e 36º 57’ 15” W. O local possui altitude média de 271 metros e o clima, de acordo com a classificação de Koppen, é caracterizado como semiárido do tipo BSh (quente e seco), com médias pluviométricas anuais entre 400 a 600 mm (SOUTO, 2006). Na área de estudo prevalece uma associação de Neossolos litólicos, Luvissolos e afloramentos rochosos. O solo se encontra parcialmente exposto e com feições erosivas localizadas, caracterizada por um elevado estágio de degradação apresentando sinais intensos da intervenção antrópica, como a retirada total da vegetação (Figura 1). A presença de espécies vegetais é rara, com exceção do Pilosocereus gounellei A. Weber ex K. Schum. Bly. ex Rowl (xique-xique), Aristida setifolia Kunth (capim panasco), Cnidoscolus quercifolius Pohl (favela) , Sida cordifolia L. (malva branca) e Jatropha curcas L. (pinhão manso). A área caracteriza-se por caatinga hiperxerófila com diferentes graus de antropismo, com árvores de porte médio a baixo, não ultrapassando 7,0 metros de altura. A vegetação natural foi retirada para a utilização agrícola,

Pensamento do mês